Com 12 módulos diferentes de obrigações fiscais, contábeis e tributárias, o SPED pode gerar consideráveis dores de cabeça aos contadores e empresários que não se adequarem às novas exigências das autoridades fazendárias (Fisco). Nesse cenário é importante destacar as empresas optantes pelo Simples Nacional, que devem ficar atentas às mudanças fiscais e tributárias que acontecem com a implantação do SPED no Brasil e evitar possíveis problemas, que podem levar até ao fechamento do seu negócio.

O Simples Nacional em 2018

Desde 01/01/2018, ocorreram algumas mudanças no enquadramento da empresa para Simples Nacional, dentre elas:

  • A forma de se apurar o tributo devido, cuja base de cálculo passará a ser a receita bruta acumulada nos últimos 12 meses;
  • Os novos limites de faturamento para as empresas se manterem no regime: microempresários individuais (R$ 81.000,00) e ME e EPP (R$ 4.800.000,00);
  • Novas atividades que poderão se enquadrar nessa sistemática de tributação.

 

Envio do SPED para empresa do Simples Nacional

Sabemos que o Sistema SPED possui uma complexidade que gera inúmeras dúvidas, até nos mais experientes profissionais da área contábil, principalmente no tocante a transmissão dessas obrigações. Além disso, nem todas as exigências englobam as empresas optantes pelo Simples Nacional, o que também gera muita confusão.

O SPED Contábil para Simples Nacional já é uma realidade, pois algumas empresas que optaram por esse regime de tributação passaram a ser obrigadas, a partir de 2017, a entregar a Escrituração Contábil Digital (ECD). Essa obrigação é importantíssima e não pode ser descuidada, sob pena de sérias sanções e, até mesmo, de fiscalização governamental.

 

O que é a ECD e a sua obrigatoriedade

A Escrituração Contábil digital (também chamada SPED Contábil ou ECD) é uma obrigação fiscal instituída no ano de 2007 e pertencente ao Projeto SPED (Sistema Público de Escrituração Digital). Basicamente, consiste na entrega dos seguintes livros contábeis, em meio digital:

  • Livro Diário (e, se houver, seus auxiliares);
  • Livro Razão (e também, se houver, seus auxiliares);
  • Balancete, Diário e Balanço, acompanhados das correspondentes Fichas de Lançamentos.

Dentre outras, todas as empresas optantes pelo Lucro Real estão obrigadas a apresentar a ECD. Também se enquadram nessa obrigação (a partir de 2017) as microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP) optantes pelo Simples Nacional e que receberam recursos de capital na forma prevista nos arts. 61-A a 61-D da Lei Complementar nº 123, de 2006.

O programa para entrega é disponibilizado pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, e as informações devem ser registradas e validadas por especialistas em contabilidade, sendo assinadas pelo próprio contador, utilizando seu e-CPF e o e-CNPJ da empresa.

 

O SPED contábil para Simples Nacional

Implementar essa tarefa no Simples Nacional, que possui como principal propósito facilitar a vida dos micro e pequenos empreendedores, pode parecer contraditório em um primeiro momento.

Porém, há inúmeros benefícios no uso do SPED Contábil nas empresas do simples, como a redução de custos pela eliminação da necessidade de se elaborar e guardar livros e demonstrativos em papel ou em variados aplicativos de computador, além do fato de seus documentos contábeis ficarem automaticamente à disposição para registro na Junta Comercial de seu Estado.

Além desses benefícios acima, podemos citar também outros decorrentes da aplicação desse sistema digital e unificado: maior transparência nos processos fiscais; redução da chance de envolvimento involuntário em processos fraudulentos, facilitando o controle; simplificação, agilização e otimização de processos contábeis; e maior qualidade nas informações disponibilizadas; mais agilidade no acesso às informações.

SPED Fiscal e o Simples Nacional

Já falamos anteriormente do SPED Contábil e as condições em que elas são obrigatórias conforme o enquadramento das empresas.

Já o SPED Fiscal, substitui a escrituração em papel pela Escrituração Fiscal Digital (EFD), composto por arquivos digitais de documentos fiscais e de informações pertinentes aos fiscos das unidades federadas e da Secretaria da Fazenda, bem como de registros de apuração de impostos referentes às operações e prestações praticadas pelo contribuinte.

Desde janeiro de 2018, empresas do Simples Nacional não se qualificam como sujeito passivo da obrigação da ECD, ou seja, estão desobrigadas a entregar a ECD.

 

Conclusão

Ainda que a ECD (ou SPED Contábil) não seja obrigatória para empresas do Simples Nacional, salvo as exceções citadas como àquelas que receberam algum aporte de capital na forma prevista nos arts. 61-A a 61-D da Lei Complementar nº 123, de 2006, vale a pena avaliar o caso da entrega voluntária, haja vista que o Governo Federal está empenhado em que cada vez mais empresas, ao longo dos anos, sejam fornecedoras de informações para a Receita Federal e não há penalidades para apresentação voluntária.

Conseguiu se familiarizar com as inovações relacionadas ao SPED contábil para Simples Nacional? Achou que as coisas ficarão mais complicadas? Pois então não desanime! Estamos aqui para ajudá-lo! Entre em contato com a Zeus Automação: 79 3432-8350 / 99912-8350 / 99913-8350 ou http://www.zeusautomacao.com.br.

Publicado em: 17/10/2018 às 14h00
Por: Itweb